EDUCAÇÃO MIDIÁTICA



GERAÇÃO C


[leia o texto e baixe o infográfico ao final]


Em 2012 o autor Brian Solis definiu a “Geração C” – consumidores que têm a conectividade, comunidade, criação e curadoria como valor e parte inegável de sua vida, do modo como se relacionam entre si e com a realidade que os cerca. A Geração C não é um recorte demográfico (de idade, renda ou geografia), e sim “psicográfico”, ou seja, de comportamento frente ao ambiente digital. Segundo o Google,


65% da Geração C tem menos de 35 anos, está conectada nas redes e quer ter sua voz ouvida. A educação midiática, portanto,

reconhece a urgência de encontrar os alunos onde eles já estão – circulando livremente por todos esses territórios das mídias e da informação dentro e fora da escola, sem que estejam adequadamente preparados para experiências conscientes e responsáveis de produção e consumo de mídias.


Se você precisar de argumentos, veja o que a organização

canadense MediaSmarts listou como 10 boas

razões para o ensino da educação midiática:


1) A educação midiática incentiva os jovens a questionar,

avaliar, entender e apreciar sua cultura multimídia,

ensinando-os a se tornar consumidores e

usuários de mídia ativos e engajados.


2) A educação midiática traz o mundo para a sala de

aula, dando atualidade e relevância a pautas como

direitos humanos, saúde, meio ambiente etc. Serve como uma ponte perfeita para integração de temas e estudos interdisciplinares.


3) A educação midiática incorpora e promove as visões

mais atuais de educação que enfatizam o aprendizado

centrado no aluno, o reconhecimento de múltiplas

inteligências e a análise e gerenciamento – e não

apenas o simples armazenamento – de informações.


4) A educação midiática baseia-se na sólida abordagem

pedagógica de começar o aprendizado do ponto

onde as crianças estão. As mídias – música, quadrinhos,

televisão, videogame, internet e anúncios –

fazem parte da vida que todas as crianças apreciam.

As mídias criam um ambiente compartilhado e, portanto,

são catalisadoras do aprendizado.


5) A educação midiática incentiva os jovens a usar

criativamente as ferramentas multimídia, uma estratégia

que contribui para o “aprender fazendo” e os

prepara para uma vida profissional que exige cada vez

mais o uso de formas sofisticadas de comunicação.


6) Em uma sociedade preocupada com o aumento

da apatia pelo processo político, a educação midiática

envolve os jovens em questões do mundo real.

Ajuda-os a ver-se como cidadãos ativos e potenciais

contribuintes para o debate público.


7) Em uma sociedade diversa e pluralista, a educação

midiática ajuda os jovens a entender como os

retratos da mídia podem influenciar a maneira como

vemos os diferentes grupos da sociedade: aprofunda

a compreensão dos jovens sobre diversidade, identidade

e diferenças.


8) A educação midiática ajuda no crescimento pessoal

e no desenvolvimento social, explorando as

conexões entre a cultura popular – música, moda,

programas de televisão, filmes e publicidade – e suas

atitudes, estilo de vida e autoimagem.


9) A educação midiática ajuda as crianças a refletir

sobre a representação na mídia, ensinando-as a distinguir

a realidade da fantasia: violência na mídia

versus violência na vida real; heróis da mídia versus

heróis da vida real; modelos da mídia versus papéis

e expectativas da vida real.


10) A educação midiática é um componente essencial

do aprendizado das tdic s, auxiliando os jovens

no desenvolvimento de habilidades e estratégias de

pensamento crítico para otimizar pesquisas, avaliar

e validar informações e examinar questões de plágio

e direitos autorais.